REINEVA

Atualmente a Rede está envolvida na seguinte investigação:

Criatividade e inteligência na adolescência: contributos de um estudo internacional

 

A relação entre inteligência e criatividade continua sem estar claramente definida apesar de ter sido alvo de diversos estudos ao longo do tempo (Ferrando, Prieto, Ferrándiz y Sánchez, 2005). A ideia mais aceite, num primeiro momento, é de que as pessoas criativas sejam também pessoas inteligentes. No entanto, alguns autores consideram que a inteligência não tem que ter associada a criatividade ou vice-versa, defendendo que estes dois construtos constituem entidades independents.

Uma das maiores dificuldades no estudo da relação destas duas variáveis prende-se com o facto de não existir consenso quanto à sua definição. Como afirmam Almeida, Prieto, Ferrando, Oliveira y Ferrándiz (2008), a dificuldade em operacionalizar a criatividade acarreta várias dificuldades no seu estudo, incluindo a análise da relação ente a criatividade e outras habilidades, como é o caso da inteligência.

O objetivo deste estudo é analisar a relação existente entre a inteligência geral, medida através da Escala Geral do Teste das Matrizes Progressivas de Raven, y a criatividade verbal, avaliada pelas respostas dadas às seguintes quarto questões abertas:

  1. Imagina que és jornalista e tens de entrevistar pessoas famosas. Que perguntas lhes farias?
  2. Vai-se organizar uma campanha publicitária para lançar no mercado alguns produtos, que se quer que sejam um grande sucesso de vendas. A tua tarefa consiste em escrever o maior número de “slogans” que te ocorram para anunciar um destes produtos.
  3. Escreve o maior número de projetos que gostarias de realizar.
  4. Imagina que és um realizador de televisão e queres sugerir títulos para programas novos que vão ser gravados. A tua tarefa consiste em escrever o maior número de títulos que ocorram para programas sobre uma determinada temática.

Para a correção atribuir-se-á pontuação diferenciada a cada pergunta em função das respostas dadas pelos participantes, utilizando o procedimento de correção do Teste de Criatividade de Torrance, o qual avalia:

  • Fluência: Número de respostas dadas.
  • Flexibilidade: Número de categorias diferentes nas respostas.
  • Originalidade: Verificar se as respostas tendem a ser repetidas por muitos respondentes ou não. Pressupõe calcular as frequências das respostas dadas e selecionar as mais frequentes.

Referências
Ferrando, M. Prieto, M.D., Ferrándiz, C., y Sánchez, C. (2005). Inteligencia y Creatividad. Revista Electrónica de Investigación Psicoeducativa, 3(3), 21-50.
Almeida, L. S., Prieto, L., Ferrando, M., Oliveira, E., y Ferrándiz, C. (2008). Torrance Test of Creative Thinking: The question of its construct validity. Thinking Skills and Creativity, 3(1), 53-58. doi:10.1016/j.tsc.2